Fora da Libertadores, São Paulo goleia Binacional e vai disputar a Sul-Americana

| MIDIAMAX


CONMEBOL

A despedida do São Paulo da Copa Libertadores foi com goleada e a consequente classificação à segunda fase da Sul-Americana como consolação. Nesta terça-feira, diante do frágil Binacional, do Peru, o derrotou por 5 a 1, pela rodada final do Grupo D, mesmo sem forçar o ritmo ou apresentar um futebol vistoso.

O jogo ao menos pode ter servido para dar alguma confiança a reservas escalados por Fernando Diniz no São Paulo, pois três deles marcaram gols na fácil vitória – Vitor Bueno, Pablo, duas vezes, e Arboleda -, com Brenner fazendo o outro. Além disso, o time completou o sexto jogo seguido sem derrota.

O resultado deixou o São Paulo na terceira colocação da chave, com sete pontos, atrás de River Plate e LDU, que haviam se classificado antecipadamente às oitavas de final da Libertadores Já o Binacional foi o lanterna da chave, com apenas três pontos, somados exatamente diante da equipe paulista. E com um saldo negativo de 22 gols.

Na Sul-Americana, o São Paulo conhecerá o seu adversário na segunda fase em sorteio marcado para sexta-feira, se juntando aos brasileiros Bahia e Vasco, que avançaram na etapa inicial. O torneio também foi o último vencido pelo clube, em 2012.

O JOGO – Com a proximidade do jogo de volta das oitavas de final da Copa do Brasil contra o Fortaleza, domingo, no Morumbi, Fernando Diniz optou por escalar um time misto. O treinador, que já não contava com Luciano, contundido, decidiu dar um descanso a Reinaldo, Diego Costa e Gabriel Sara no São Paulo.

Assim, Arboleda ganhou sua primeira chance como titular em dois meses e Léo foi deslocado para a lateral esquerda. Já no setor ofensivo, Pablo e Vitor Bueno começaram jogando. E foi uma dessas novidades que tirou o clima de marasmo da partida: logo aos seis minutos, Vitor Bueno arriscou de longe, marcando um belo gol ao colocar a bola no ângulo da meta adversária.

O gol precoce indicou a facilidade que o São Paulo poderia ter na partida, tanto que quase todo o primeiro tempo foi um duelo de ataque contra defesa. E o time encontrava espaços, tendo perdido chances com Pablo, Tchê Tchê e Brenner. Mas como parecia desinteressado, trocando passes em ritmo lento, perdia chances de marcar mais vezes contra o adversário, que quase fez o seu antes mesmo da equipe da casa, com Zeta, após um vacilo de Daniel Alves, que teve mais uma atuação irregular.

Preso após furto em farmácia disse ter sido contratado para fazer corrida por R$ 45

Programa do Ratinho volta a ter plateia com testes para coronavírus

Botafogo para no lanterna Goiás e empata sem gols no Engenhão

Assim, o segundo gol do São Paulo foi sair apenas aos 34 minutos, após um incrível bombardeio, com chutes de Vitor Bueno, duas vezes, e Igor Gomes. E a bola só foi entrar na tentativa de Brenner, marcando pela nona vez nesta temporada. A partir daí, o time diminuiu ainda mais o ritmo. E dando muito espaço permitiu a Deza, sem receber combate de Tchê Tchê, cortar para dentro e chutar colocado, fazendo 2 a 1 aos 39 e recolocando a sua equipe na partida.

Mas o São Paulo não precisava forçar o ritmo, tanto que marcou mais duas vezes no começo da etapa final. Primeiro com Pablo, com um belo voleio, aproveitando a liberdade dada pelos marcadores, encerrando um jejum de 11 jogos sem marcar, aos 5 minutos. E depois com Arboleda, completando finalização de Pablo que acertara a trave, aos 8. Dois gols que podem dar confiança a jogadores que perderam espaço com Diniz.

Diniz, então, aproveitou para dar descanso a mais titulares, como Igor Gomes, Brenner e Daniel Alves. E o São Paulo ainda teve chances para ampliar o placar, as melhores com Brenner e Luan, que parou na trave. E quem marcou, de novo, foi Pablo, aos 39. Ele recebeu passe de Toró, girou sobre o marcador e bateu para fazer 5 a 1, chegando aos nove gols na temporada, se igualando a Brenner na artilharia do time em 2020.

FICHA TÉCNICA:

SÃO PAULO 5 x 1 BINACIONAL

SÃO PAULO – Tiago Volpi; Tchê Tchê, Bruno Alves, Arboleda e Léo; Luan (Toró), Igor Gomes (Paulinho), Vitor Bueno (Helinho) e Daniel Alves (Rodrigo Nestor); Pablo e Brenner (Tréllez). Técnico: Fernando Diniz.

BINACIONAL – Fernández; Pérez, Mancilla, Fajardo e Reyes; Labrín, Angles, Guachiré, Ojeda e Arango (Gularte); Zeta (Deza). Técnico: Javier Arce

GOLS – Vitor Bueno, aos 6, Brenner, aos 34, e Deza, aos 39 minutos do primeiro tempo; Pablo, aos 5 e aos 39, e Arboleda, aos 8 minutos do segundo tempo.

ÁRBITRO – Facundo Tello (Argentina).

CARTÃO AMARELO – Tchê Tchê.

LOCAL – Estádio do Morumbi, em São Paulo (SP).