Gerência Municipal de Saúde realiza ações de prevenção ao suicídio referente ao “Setembro Amarelo” em Glória de Dourados

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (2018), a média global da taxa de suicídios é em torno de 10,7 por 100 mil habitantes

| ADAUTO DIAS / DIAS MS


O estado Mato Grosso do Sul esta entre os 03 estados com os maiores registros de óbitos por suicídio. Diante desta realidade atual, em que o comportamento suicida se tornou um problema de saúde pública.  Comanda pelo gerente Riccieri Doreto Schiavi a Gerencia Municipal de Saúde de Gloria de Dourados, por intermédio das psicólogas Alessandra Serafim, Janine Uchida e Bruna Barroso vem desenvolvendo algumas atividades de prevenção e apoio psicológico a este público.

As ações contam ainda com o projeto “Prevenção de suicídio: Um caminho possível”, voltado para adolescentes com idéias suicidas. Com este objetivo, foram realizadas palestras nos dias 18 e 19 de setembro para os alunos das Escolas Estaduais, para os pais e população em geral, e ainda capacitação para os profissionais da saúde. O evento aconteceu no auditório da Uems – Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul – unidade de Glória de Dourados.

O palestrante Sandro de Toledo é pesquisador desde 2015, tem se aprofundado nas causas que levam os indivíduos a tirar a própria vida, atualmente tem os seus estudos focado no comportamento e cognição humana, nos déficits cognitivos, terminando a sua graduação e adentrando na especialização em Neuropsicologia – Avaliação e Reabilitação cognitiva e é coordenador da Campanha Setembro Amarelo em Prol da Vida da UNIGRAN.

O Setembro Amarelo é uma campanha de conscientização sobre a prevenção do suicídio. No Brasil, foi criado em 2015 pelo CVV (Centro de Valorização da Vida), CFM (Conselho Federal de Medicina) e ABP (Associação Brasileira de Psiquiatria), com a proposta de associar à cor ao mês que marca o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio (10 de setembro).

A cor amarela é usada por conta da triste história de Mike Emme. Em 1994, com apenas 17 anos, ele se matou. Mike era conhecido por sua personalidade caridosa e por sua habilidade mecânica. Restaurou um Mustang 68 e o pintou de amarelo. Mike amava o carro e por causa dele começou a ser conhecido como “Mustang Mike”.

Porém, infelizmente, aqueles próximos de Mike não viram os sinais e o fim da vida do garoto chegou. No dia do funeral dele, uma cesta de cartões com fitas amarelas presas a eles estava disponível para quem quisesse pegá-los. Os 500 cartões e fitas foram feitos pelos amigos de Mike e possuíam a mensagem: “Se você precisar, peça ajuda”.

Os cartões se espalharam pelos Estados Unidos, e em poucas semanas começaram a aparecer ligações com pedidos de ajuda de vários adolescentes de diversos estados. E assim, a fita amarela foi escolhida como símbolo do programa de prevenção do suicídio.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (2018), a média global da taxa de suicídios é em torno de 10,7 por 100 mil habitantes e variam conforme sexo, idade e país. O suicídio ocupa a terceira posição entre as causas de morte, aumentando cerca de 60 % nos últimos 45 anos, os índices mostram uma inversão na faixa etária mais acometida, ou seja, da mais idosa para a mais jovem, isto porque a adolescência é um período transitório em que o indivíduo se encontra em estado de vulnerabilidade e pode reagir com ideias suicidas em resposta a conflitos, sem contar a dinâmica familiar que também mudou muito nos últimos anos.

Associado a isso, discriminação, julgamento desnecessário, bullying, violência sexual, violência contra a mulher entre outros, são fatores causam desesperança e angústia, fazendo com que o indivíduo questione a sua própria existência. Buscar ajuda,  principalmente por profissionais especializados em saúde mental, psicólogos e psiquiatras é fundamental.