Mercedes passa a ter carro pintado de preto na F1 para marcar posição contra o racismo

Pela primeira vez na história, equipe adota coloração escura se se posiciona contra qualquer tipo de discriminação; pintura já estreia no GP da Áustria no próximo fim de semana

| GLOBOESPORTE.COM / GLOBOESPORTE.COM


Atual hexacampeã mundial de pilotos e construtores, a Mercedes revelou nesta segunda-feira que vai correr com um carro todo pintado de preto na temporada 2020 da Fórmula 1. O novo layout já estreia no próximo fim de semana, no GP da Áustria, prova que abre o campeonato. Em nota, a equipe explicou que trata-se de um combate ao racismo:

+ Veja as cotações de equipes e pilotos na F1 2020 + Assista aos principais vídeos de Fórmula 1

"Vamos competir de preto em 2020, como um compromisso público para melhorar a diversidade de nossa equipe - e uma declaração clara de que somos contra o racismo e todas as formas de discriminação."

Chefão da Mercedes na Fórmula 1, o austríaco Toto Wolff exaltou a iniciativa da equipe alemã para marcar posição no combate contra o racismo. Além disso, disse que a equipe pretende recrutar talentos de todos os tipos de origem para seu quadro de funcionários:

O racismo e a discriminação não têm lugar em nossa sociedade, esporte ou equipe: essa é uma crença central na Mercedes. Mas não basta ter as crenças e a mentalidade certas se permanecermos em silêncio. Desejamos usar nossa voz e nossa plataforma global para defender o respeito e a igualdade, e a Flecha de Prata correrá de preto durante toda a temporada 2020 para mostrar nosso compromisso com uma maior diversidade dentro de nossa equipe e esporte.

Nas últimas semanas, o hexacampeão mundial Lewis Hamilton tem se mostrado bastante ativo no posicionamento contra a discriminação racial. Primeiro, cobrou da Fórmula 1 e de seus colegas de pista uma postura clara contra o racismo, depois do assassinato do americano George Floyd. Depois, participou pessoalmente de protestos de rua contra a discriminação pela cor da pele em Londres, na Inglaterra. Além disso, foi nomeado líder da força-tarefa "We Race as One" ("Nós Corremos como Um", em português), criada pela F1 para promover a diversidade no esporte.

- É muito importante aproveitarmos esse momento e o utilizarmos para nos educar se você é um indivíduo, marca ou empresa para fazer mudanças realmente significativas quando se trata de garantir igualdade e inclusão. Pessoalmente, experimentei racismo em minha vida e vi minha família e amigos experimentando racismo, e estou falando de coração quando apelo à mudança. Gostaria de agradecer imensamente a Toto e ao Mercedes Board por dedicarem tempo para ouvir, conversar e realmente entender minhas experiências e paixões, e por fazer esta importante declaração de que estamos dispostos a mudar e melhorar. o negócio - disse Lewis.

Na última semana, o hexacampeão mundial também rebateu duramente as declarações do ex-chefão da F1, Bernie Ecclestone, de que "muitas vezes os negros eram mais racistas do que os brancos".

+ Não tenho culpa se sou branco, diz Bernie

Em 2019, Mercedes branca na Alemanha

É a segunda mudança radical na pintura dos carros da Mercedes em menos de um ano. Conhecido pelo layout todo prateado desde os anos 1950, a equipe alemã pintou seus carros de branco no GP da Alemanha de 2019 para celebrar os 125 anos do envolvimento da montadora com o esporte a motor - a cor era usada nos primórdios da participação da Mercedes.

No entanto, o resultado da equipe não foi satisfatório, e Valtteri Bottas abandonou após sofrer um acidente, e Lewis Hamilton só chegou em nono lugar depois que os dois carros da Alfa Romeo foram desclassificados da prova.