Nome da 1ª vítima de coronavírus em MS aparece em lista dos R$ 600 e família busca respostas

O nome da falecida aparece na lista, mas irmã explica que CPF não é o mesmo

| MIDIAMAX


A irmã de Eleuzi, Edilene Silva Nascimento, de 59 anos, conversou com a reportagem e disse que soube do aparecimento do nome da falecida na lista em matéria do Midiamax, - Divulgação

A família de Eleuzi Silva Nascimento, que faleceu aos 64 anos, sendo a primeira vítima da Covid-19, o novo coronavírus, em Mato Grosso do Sul, busca respostas para esclarecer o surgimento do nome da moradora na lista de beneficiários do Auxílio Emergencial do Governo Federal. O nome da falecida aparece como ganhadora de R$ 600, mas CPF parcial não é o dela.

A irmã de Eleuzi, Edilene Silva Nascimento, de 59 anos, conversou com a reportagem e disse que soube do aparecimento do nome da falecida na lista em matéria do Midiamax, que mostrou todos os moradores da cidade de Batayporã que receberam o benefício. Porém, logo notaram que poderia se tratar de outra pessoa.

“Foi um susto ver o nome dela na lista e assim que soubemos, eu fui atrás da Prefeitura e do Cras. No Cras a gente conseguiu consultar o nome dela no sistema da Caixa e quando digitamos todos os documentos e informações que pediam no site, constou que pelos documentos dela, não tinha nenhum registro de solicitação ou recebimento do dinheiro”, disse Edilene à reportagem.

Ao verificarem novamente a lista, a família notou que o nome era o mesmo da irmã, mas a numeração parcial do CPF que aparecia, não. “Aqueles números de CPF que aparecem não batem com o dela. O nome é igual, mas o CPF que aparece lá na lista, não. Como não está inteiro, não tem como saber quem é”, explicou a irmã de Eleuzi.

A família chegou a procurar moradoras da cidade, que tem pouco mais de 11 mil habitantes, que tivessem o mesmo nome da falecida, mas sem sucesso. “Encontramos nomes parecidos, mas ninguém com o nome dela ou CPF com aqueles números da lista”, disse Edilene.

Como a numeração do documento de Eleuzi não constava em cadastro para solicitar o benefício, a família optou por não denunciar e enigma para saber como o nome da falecida foi parar na lista, permanece.

“Como não é o mesmo CPF, não teria como alegar que era ela, então não podemos afirmar que é uma fraude. Tenho medo de que as pessoas pensem que estamos usando o nome dela para ganhar esse dinheiro. A morte dela ainda dói e ainda temos que passar por mais essa situação”, finalizou.

Midiamax incentiva o Controle Social

O Jornal Midiamax incentiva em Mato Grosso do Sul o ‘controle social’, que é a participação ativa da população no combate à corrupção com denúncias sobre suspeitas e fraudes no pagamento do Auxílio Emergencial.

Assim, no Portal da Transparência, você pode comunicar oficialmente ao Ministério da Cidadania com a ferramenta Fala.BR. Ou pode ainda indicar se alguém recebe um benefício indevidamente pelo link “Fique de Olho!”.