Untitled Document
 
 
E-mail: adautodias@msn.com
 
 
 
11 de Maio de 2018 às 09h15min
Walcyr Carrasco elogia Erika Januza em “O outro lado do paraíso”: “Uma protagonista”

Extra

                      Erika Januza foi elogiada pelo autor Walcyr Carrasco Foto: Raquel Cunha

 

Aos mocinhos, o clássico “que sejam felizes para sempre”. Para a turma do mal, punição exemplar. Sem fugir da mensagem de que “tudo o que você faz um dia volta pra você”, o autor Walcyr Carrasco se despede hoje de “O outro lado do paraíso” comemorando o sucesso de audiência da sua trama. No último capítulo, o público verá o casamento de Clara (Bianca Bin) e Patrick (Thiago Fragoso) e o sofrimento da vilã Sophia (Marieta Severo). Presa num hospício, ela prova o mesmo veneno que fez a heroína experimentar logo no início da história.

— O maior acerto de “O outro lado do paraíso” foi apostar num estilo de novela que andava em desuso, o melodrama absoluto, com temas atuais e marcantes para a sociedade, como a violência contra a mulher, o abuso sexual e a doação de órgãos — diz Walcyr Carrasco.

 

Clara voltou a Palmas para se vingar de seus inimigos

Clara voltou a Palmas para se vingar de seus inimigos Foto: Raquel Cunha/Rede Globo/Divulgação

 

Personificação da luta contra o racismo, outra bandeira levantada na trama, Erika Januza caiu nas graças do autor:

— Não faço a avaliação dos que mais se destacaram, mas Erika foi realmente uma protagonista, belíssima e sensível.

No balanço final de “O outro lado do paraíso”, Carrasco não entende o motivo das críticas sobre Lívia (Grazi Massafera), anunciada como vilã, não ter praticado maldades em série:

— Nunca disse que Grazi seria a vilã da novela. Esse era o papel de Marieta. Lívia pode ter ajudado a mãe no início da história, mas fez isso por amor a Tomaz (Vitor Figueiredo).

 

Laura foi abusada pelo padrasto em “O outro lado do paraíso”

Laura foi abusada pelo padrasto em “O outro lado do paraíso” Foto: Raquel Cunha/Rede Globo/Divulgação

 

Lobo em pele de cordeiro foi Renato (Rafael Cardoso), que começou como bonzinho e chega ao fim morto após se revelar uma pessoa capaz de atitudes monstruosas.

— Já com Renato vivi várias possibilidades. Era um psicopata que se transformava para alcançar seus objetivos — resume o novelista

Sobe

Clara pisou na cara da sociedade de Palmas ao voltar poderosa para se vingar de todos que lhe fizeram mal. Ponto também para a ambientação da história em Tocantins, com destaque para imagens lindas do Jalapão.

Uma trama que reúne Fernanda Montenegro, Juca de Oliveira, Laura Cardoso, Lima Duarte e Nathalia Timberg merece aplausos.

A sequência do julgamento de Vinícius (Flávio Tolezani), o delegado abusador da novela, foi emocionante. Destaque para a dor estampada no rosto de Bella Piero, perfeita no papel da vítima, Laura.

Foi um acerto apresentar Renato como mocinho para só revelar na segunda metade da história a sua identidade perversa. Rafael Cardoso enganou o público direitinho.

O núcleo do bordel funcionou ao levar leveza, beleza e sensualidade à trama sem se ausentar dos momentos dramáticos. As histórias de amor das meninas foram um charme à parte.

 

Beth foi um dos destaques da novela das nove

Beth foi um dos destaques da novela das nove Foto: Marilia Cabral/Rede Globo/Divulgação

 

Gloria Pires reinou absoluta na pele de uma personagem inverossímil. Desgraças aconteceram com Elizabeth de forma sucessiva sem que a atriz perdesse a naturalidade.

Desce

Difícil acreditar que Sophia conseguiria fazer tantas vítimas a tesouradas sem levantar suspeitas. E mais: um homem forte como Rato (César Ferrario) não teria problema em dominar a assassina e evitar sua morte.

 

As tesouradas de Sophia não convenceram

As tesouradas de Sophia não convenceram Foto: Mauricio Fidalgo/Rede Globo/Divulgação

 

Foi perdida a oportunidade de abordar com seriedade o dilema de Samuel (Eriberto Leão), que foi “tirado do armário” por Clara. As cenas com Suzy (Ellen Rocche), Cido (Rafael Zulu) e Adnéia (Ana Lúcia Torre) foram quase sempre patéticas.

O salão de beleza prometia ser o point cômico da novela. Mas o núcleo ficou muito aquém do esperado e seus personagens quase não tiveram função na trama.

Havia alguma necessidade de Aura (Tainá Müller) existir? Na prática, não. A personagem não disse a que veio, e sua intérprete não teve oportunidade de mostrar um bom trabalho.

Os rumos que Lívia tomou na história não permitiram que o público visse Grazi Massafera no papel de vilã. Pena.

Nádia (Eliane Giardini) é preconceituosa e corrupta. Mas, de fato, nada de mau lhe aconteceu. A impunidade foi um péssimo exemplo.


 
Notícias Recentes
Prefeitos, vereadores e lideranças lotam gabinete de Pedro Chaves em Brasília
Artigo: A morte das abelhas e a extinção da humanidade! por Demerval Nogueira
Walcyr Carrasco elogia Erika Januza em “O outro lado do paraíso”: “Uma protagonista”
Deu ruim: Bombeiros ‘salvam’ jovem presa em algemas de fantasia
Riccieri esteve reunido com Municípios do CODEVALE em Nova Andradina para discutir ações conjuntas na área da saúde
Fla se movimenta para segurar Vinicius e só venderá Paquetá pela multa de R$ 211 milhões
   
 

2006 - 2012 © - Glória News - Todos os direitos reservados.
As notícias veiculadas nos blogs, colunas e artigos são de inteira responsabilidade dos autores.
Desenvolvido por: Ribero Design - tecnologia&internet